Por que é importante fazer exercícios conforme envelhecemos

Por que é importante fazer exercícios conforme envelhecemos


Em geral, as pessoas se exercitam mais quando são jovens. Até os 30 anos, muita gente pratica esportes competitivos e anda mais a pé por não ter carro, por exemplo. Mas, conforme a idade avança, deixamos de fazer atividades vigorosas (que aumentam a frequência cardíaca) e nos dedicamos às mais simples, como caminhar, até que, aos 60 anos, paramos de nos movimentar, aumentando o sedentarismo.



Na verdade, essa não é a melhor trajetória, pois fazer exercícios é ainda mais importante quando envelhecemos. Novas pesquisas feitas nos Estados Unidos e no Reino Unido mostram que se exercitar depois dos 50 anos reduz o risco de morte --e isso vale até mesmo para quem nunca se dedicou a atividades físicas.

Conforme reduzimos nosso nível de atividade física, nossa força e nossa forma física vão se deteriorando, e com isso nos tornamos menos capazes de fazer as coisas do dia a dia. Isso, por sua vez, nos desestimula a fazer exercícios --o que não é nada bom, pois na sequência vêm o aumento da pressão, a obesidade e o aumento dos níveis de açúcar no sangue, aumentando nosso risco de desenvolver doenças crônicas e morrer prematuramente.



Se em algum ponto da vida isso já aconteceu, não tem problema: o quadro pode ser revertido em qualquer idade. Quando se trata de fazer exercícios, o que importa é o que você tem feito ultimamente, e não nos anos anteriores.

Um estudo realizado nos Estados Unidos com pessoas na faixa dos 50 aos 71 anos mostrou que aqueles que não se exercitavam na juventude mas passaram a se mexer quando ficaram mais velhos tiveram os mesmos benefícios à saúde que os que mantiveram um alto nível de atividade física durante toda a vida. Já quem era ativo na juventude e parou de se exercitar na meia idade não foi muito melhor do que as pessoas que foram sedentárias a vida toda. Esses resultados foram confirmados por um estudo semelhante, feito no Reino Unido.



Ou seja, a qualquer momento em que iniciemos uma atividade física, nossa saúde melhora. Com 20 minutos de caminhada rápida por dia dá para reduzir em 20% o risco de morte prematura; quem aumenta essa carga para 90 minutos (ou 25 de corrida) chega a uma redução de 35% desse risco. "Qualquer coisinha que façamos durante o dia já ajuda. Pegar as escadas, caminhar para o almoço ou estacionar o carro um pouco mais longe somam pontos", aponta Scott Lear, professor de Ciências da Saúde da Universidade Simon Fraser.

Postar um comentário

0 Comentários