Terminal Hidroviário que recebe embarcações do Marajó será ampliado em 30% capacidade de embarques e desembarques

Terminal Hidroviário que recebe embarcações do Marajó será ampliado em 30% capacidade de embarques e desembarques


Em razão da grande demanda de usuários, o Terminal Hidroviário de Belém vai ter sua capacidade naval de operação ampliada em 30%. O espaço deve ganhar, em breve, o terceiro conjunto naval, que será instalado em frente ao galpão 10 da Companhia de Docas do Pará (CDP).


Atualmente, o terminal opera com dois conjuntos navais no galpão 9 da CDP. As estruturas compreendem flutuante, plataforma e rampa metálica articulada para embarque e desembarque de passageiros.
"Desde julho deste ano, nós percebemos que o Terminal Hidroviário chegou na capacidade de usuários e muitas linhas ainda desejam fazer o percurso da ilha do Marajó e no Baixo Amazonas, por exemplo. Então, sentimos a necessidade de operar com um novo conjunto naval, haja vista que a tendência é de crescimento no modal hidroviário", explica o presidente da CPH, Abraão Benassuly.



Segundo Benassuly, ao tomar conhecimento dessa necessidade, o governador Helder Barbalho autorizou a elaboração de projeto executivo de construção deste conjunto, para operar no embarque e desembarque de passageiros por meio do galpão 10. A Companhia de Docas do Pará, responsável pelo espaço, já cedeu a área para nova operação naval após um acordo.

O titular da CPH afirma que o terceiro conjunto naval vai proporcionar a criação de mais linhas hidroviárias. Hoje, o terminal recebe até três mil passageiros por dia e cerca de 60 mil por mês. "Com essa 'janela' que vamos abrir, teremos a possibilidade de trazer novas linhas para operar e atender melhor o nosso público crescente", completa Benassuly.

A Companhia de Portos já abriu licitação para contratação de empresa que vai tratar da elaboração do projeto executivo para construção do novo conjunto naval, que prevê flutuante, plataforma e rampa metálica articulada para embarque e desembarque de passageiros. Neste projeto executivo, devem constar as normas e condições necessárias para contratação dos serviços.



"Já estamos em processo de licitação para contratar uma empresa que vai elaborar o projeto executivo e, consequentemente, vamos abrir outra licitação para uma nova empresa realizar a construção deste novo conjunto naval. Esperamos concluir todo esse processo em até 12 meses", finaliza o presidente da CPH.

O projeto e a construção do novo conjunto naval serão realizados de acordo com as normas e padrões estabelecidos pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

(Agência Pará)    

Postar um comentário

0 Comentários